domingo, junho 28, 2009

marcação de eleições

Concordo veementemente com a opinião de António Barreto expressa hoje no Público, a respeito da demagogia política reinante em torno dum acto quase administrativo e burocrático: a marcação de eleições. Na realidade, esta gente trata os eleitores como se fossem idiotas, através de mirabolantes cálculos, nos quais esboçam e desenvolvem as mais controversas conclusões sobre o simplíssimo acto de apontar uma data no calendário, ainda para mais quando se trata dum período de tempo objectivamente delineado. Tenho visto, na televisão, reportagens sobre o mundo animal em que outros primatas conseguem fazer esse trabalho.
É por estas e por outras que, de vez em quando, esses mesmos senhores da política (incluo aqui os habituais comentadores encartados e jornalistas) se surpreendem com a visão pós-eleitoral do povo português.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...