terça-feira, outubro 13, 2009

os animais e os homens

Mais uma amostra do furor legislativo: a proibição dos animais em circo e a sua reprodução (!). Por mim, nada contra. Os argumentos relativamente a esta medida são obviamente variáveis, consoante a posição e a sensibilidade de cada um. Podemos agrupá-los, sem grande esforço, em duas categorias: um excesso de intromissão do Estado na vida das empresas circenses e, por outro lado, uma marca civilizacional.
É meu entendimento que o intuito primeiro do legislador encontra-se, mais pausadamente, nesta última vertente. Neste sentido, o bem-estar dos animais prevalece sobre os instintos "voyeuristas" do ser humano. No entanto, importa ser coerente e atingir, com igual medida, as touradas, os "rodeos" (a suposta e gritada superioridade moral do Bloco de Esquerda tem aqui um extremo de hipocrisia política), as gaiolas caseiras dos passarinhos e passarões e, não menos importante, os jardins zoológicos. Neste propósito, revela-se de uma ironia trágica algumas tabuletas que titulam certas cercas animais nestes parques públicos, cujas informações orientam o visitante para uma amostra do modo de vida do bicharoco... no seu habitat natural. Por exemplo: animal que vive nas grandes planícies africanas, atinge velocidades superiores a 50 km/hora, e por aí adiante... Onde está, afinal, no meio disto tudo, a coerência?

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...