quarta-feira, outubro 14, 2009

a coerência de vasco graça moura

Vasco Graça Moura é um seriíssimo caso de personalidade dupla. O grande e apaziguado especialista em literatura dá lugar, na política, ao mais extravagante e irracional opinador. Cavaquista dos sete costados, passou a manuelista dos oito. Daí que o disparate seja a norma quando aborda temas políticos. Hoje, por exemplo, afirmou que Manuela Ferreira Leite deve manter-se na liderança do partido, pois "tem a legitimidade de ter sido eleita normalmente e tem um mandato que ainda não terminou". Quanto a José Sócrates, a receita é a oposta: é preciso que [o próximo governo] seja derrubado o mais depressa possível". Conclui-se, portanto, que, para Vasco Graça Moura, o governo recentemente indigitado por Cavaco Silva não conquistou, "normalmente", a vitória no dia 27 de setembro.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...