quinta-feira, janeiro 05, 2012

troika "oblige" ou o reino da relatividade

Aos fins de semana e feriados os centros de saúde passarão a um estado de completa ausência de sentido. O interior, mais uma vez, toma por tabela este desígnio da troika. Vi na televisão uma mulher, de meia idade, que refletiu deste modo a notícia do fecho do seu centro de saúde: "a doença não se sabe quando vem". Pelos vistos, andam por aí uns indivíduos que sabem. E também sabem que uma urgência é sempre relativa, nas suas bem amanhadas cabeças. E também sabem que entre pagar 5 euros no centro de saúde e 10 no hospital mais perto (excluindo as "ajudas de custo" dos quilómetros percorridos) conflui no ininteligível reino da relatividade analítica. Do mesmíssimo modo, atinge esta gente que a redução de 20% no Serviço Nacional de Saúde, seja na redução de pessoal, seja em cortes deste tipo, é, para o bom funcionamento do sistema, igual ao litro. Chama-se a isto, simplesmente, crânios.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...