domingo, janeiro 15, 2012

as nomeações contestatárias

Aos poucos, este governo começa a dar sinais de um panorama de desilusão e de incompetência, o que leva a acreditarmos que é tudo uma questão de oportunidade, tendo em conta o momento do país e o tradicional rotativismo partidário. Foi assim com Sócrates (alguém julgaria que chegasse a primeiro-ministro?) e foi assim também com Passos Coelho (a mesma questão se coloca). Daí que as voltas e baldrocas dos ministros numa vã tentativa de desculpabilizar as quase inauditas nomeações dos Catrogas partidários sejam objetivamente patéticas. Portas, como vimos, tentou, desfasadamente, evocar uma guerra norte-sul a respeito desta matéria. Agora, Assunção Cristas, uma promessa arriscada num trabalho que nitidamente não é para ela (a fazer lembrar aquelas promessas futebolísticas que nunca passaram de promessas) disse exatamente isto, a respeito da nomeação de Manuel Frexes, presidente da Câmara Municipal do Fundão, a qual arrasta pelos tribunais uma querela com a empresa que o próprio vai agora administrar (não sei se haverá muito disto por esse mundo fora, mas estou propenso a crer que esta situação merece almanaque): "a melhor maneira de resolver o problema é trazer os que mais contestaram". Esqueceu-se, todavia, de acrescentar: ... se forem do partido do Governo.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...