quinta-feira, abril 25, 2013

os sacrifícios

Quem me manda ser de compreensão lenta!...
Só agora começo a entender que os denodados sacrifícios do povo português de que fala a maioria (Cavaco incluído) dizem também respeito ao inevitável e irregressível caminho para o desemprego. Depois, num qualquer dia de sol (ou de nevoeiro, somos mais propendidos a este, afinal), surgirão gráficos com setinhas ascendentes. E aí Portugal renascerá de novo, graças aos sacrifícios inelutáveis dos portugueses.
Grande povo! Grandes eleitos.
(E a propósito de eleitos - e de povo, também - comprazo-me em transcrever José Gomes Ferreira: "E foi para esta farsa/que se fez a revolução de abril, capitães...?).

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...