segunda-feira, junho 25, 2012

moção de censura

Segui grande parte da moção de censura do PCP ao Governo. Gostei de algumas intervenções. A última, de Bernardino Soares, controladamente sanhuda, foi, em grande parte, uma resposta ao orador que o precedeu, o admirável ministro Paulo Portas. Retive uma frase deste, a respeito do eventual monopólio da esquerda, designadamente do PCP, em questões de justiça social. Dizia então Portas que este Governo também emerge em relação aos mais desfavorecidos. E do que se lembrou? Das refeições dadas nas cantinas das escolas para os agregados familiares duplamente desempregados. E não precisou de dizer mais nada o ministro. Obviamente que não teve ensejo em ajuizar que uma família em situação de desemprego constitui uma clara derrota das políticas seguidas por este Governo. E é para debater estas coisas que as moções de censura também se justificam.

adenda: aquele rapaz Meneses, do PSD, é uma coisa do outro mundo. A sua intervenção debitou atrozes vacuidades sobre nada.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...