segunda-feira, junho 18, 2012

o encerramento do interior do país

Uma anotação a este respeito, aqui várias vezes pronunciada. Não há país que se eleve a índices de desenvolvimento civilizacionalmente normalizados se a sua estrutura administrativa geral estiver assente em desarmonias territoriais. Com efeito, não é concretamente possível que um pequeno país como Portugal se desenvolva com este tipo de configurações, as quais acentuam ainda mais o ridículo que é viver num país subdividido, na prática, em dois.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...