terça-feira, abril 03, 2012

a suspensão permanente dos cortes

A Comissão Europeia, pela voz do senhor Peter Weiss, da direção-geral de Assuntos Económicos e Monetários e membro da missão de ajuda externa para Portugal, já avisou que os cortes relativos aos 13º e 14º meses dos funcionários públicos e pensionistas poderão assumir um caráter permanente. Percorri de imediato o calendário e verifiquei que o primeiro de abril já havia passado. Peter Weiss deve conhecer a realidade do país, tal como a conhecem Gaspar e Passos e também o Álvaro. Conseguintemente, considerará normalíssimo a dissipação da tradicional classe média portuguesa, a qual se afigurava já manifestamente remediada, tendo em conta padrões de outros países. O escopo de outrora inverte-se, agora. Antigamente, importava tirar da pobreza cerca de 20% da população. Atualmente, interessa encostar à base piramidal da sociedade o maior número de portugueses. E a equação é simples, óbvia, cristalina: quantos mais forem os excluídos, mais serão aqueles que sairão, dentro de dois ou três anos, do limbo social. E a receita, tão estoicamente assentada pelos portugueses, deu, afinal, frutos. Gaspar e Passos e este Weiss tinham, luminosamente, razão.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...