sexta-feira, janeiro 28, 2011

a não demissão do ministro e os votos que não chegaram a ser

É também nestas coisas que se afere a qualidade da democracia de um país. Nas últimas eleições presidenciais, milhares de cidadãos não puderam votar. Tudo por existir incongruências entre o local de voto e o simplificado cartão de cidadão. O voto é, em democracia, a única arma democrática que o cidadão comum possui para alterar o estado das coisas. É, digamos, a vertente sacra da democracia. O ministro que tutela estas coisas, o sr. Pereira da Administração Interna, adiantou desde logo que jamais equacionou demitir-se do seu cargo. Com gente assim não vamos a lado nenhum. Será que os últimos demissionários honrados da política foram Guterres, Jorge Coelho e António Vitorino?

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...