quarta-feira, setembro 11, 2013

linguagens

O senhor Passos Coelho não prima por cuidados de linguagem. Possivelmente, será essa faceta uma das suas maiores virtudes, pensarão os seus seguidores. O homem, afinal, está a pôr o país na ordem. A compor o que os outros (leia-se: esse tal de Sócrates e que agora tem o desplante de andar a falar todos os domingos na RTP1 que é pública e que por causa disso muita gente assinou uma petição para impedir essa imposturice) descompuseram.
Há poucos dias, virou-se, ferinamente, para um grupo de populares que o apupavam (meu deus, o homem anda a compor o país e é assim que lhe agradecem, esses comunas) questionando-os, qual adminículo, se a Constituição já tinha feito alguma coisa pelos desempregados. Hoje, numa espécie de abertura do ano letivo, numa escola em Oliveira do Bairro, afirmou que é bom uma escola possuir boas condições de trabalho, mas "sem luxo" (esse desgraçado Sócrates e o Parque Escolar!... O dinheiro que aí se esbanjou!...). Continuou, depois, a sua prelucidação, desta vez para falar sobre as baixas qualificações de muitos desempregados, um atraso secular (lembram-se das Novas Oportunidades?) que faz com que uma parte significativa dos desempregados "não tenha sequer concluído o 9º ano e tenha mais dificuldades em se adaptar às novas circunstâncias". Rematou o senhor Passos Coelho desta forma: "isso paga-se e não podemos deixar de investir para recuperar desse atraso, mas temos de fazer as nossas contas".
Não sei o que há para dizer para com este tipo de registo discursivo de um primeiro-ministro. Só me vem à cabeça que se Salazar vivesse em democracia, neste tempo, seria muito parecido com o senhor Passos Coelho; ou então, se este tivesse as mesmas responsabilidades no tempo do ditador, as diferenças seriam, inexoravelmente, delidas.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...