quinta-feira, julho 11, 2013

ainda a declaração de cavaco

Quando anda meio mundo a tentar decifrar a mensagem do presidente, arrematando conjeturas atrás de complicadas fórmulas personalísticas, ainda ninguém tocou no que seria o resultado mais óbvio, estivéssemos nós perante outros protagonistas políticos: a demissão de Passos Coelho ou de Paulo Portas ou dos dois. Na verdade, o Presidente da República não aceitou, irrevogavelmente, o desenho governativo proposto pelos dois representantes dos partidos da maioria. Perante esta ingerência de Cavaco, a qual, note-se, é de todo aceitável, visto que foram os outros dois que forçaram o presidente a isso, empurrando o país para o agravamento da crise política, o resultado poderá passar por eleições ainda mais antecipadas. O que o Presidente, afinal, não queria.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...