quarta-feira, julho 01, 2009

a culpa é do outro

É um filme que estamos habituados a ver em democracia. Este governo tem sido useiro nessa triste estratégia. Refiro-me, evidentemente, à mania que os partidos têm de culpabilizar o outro. O outro é sempre o anterior. No caso da venda da rede fixa à PT, Manuela Ferreira Leite não resistiu e afirmou que foi Guterres o culpado. O anterior, portanto. O PS refuta naturalmente esta teoria. E andamos nisto desde sempre, o que é uma boa maneira de fazer com que o país não vá para a frente. Por outro lado, esta teoria da conspiração (os partidos políticos portugueses são, de facto, especializados neste tipo de orientações conspirativas. Por vezes, penso que é a razão principal das suas existências) pode servir de exemplo de como um governo minoritário poderá ser benéfico para o país. É que desse modo as culpas seriam sempre repartidas.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...