quinta-feira, dezembro 01, 2011

a entrevista de coelho

José Gomes Ferreira lastimou a falta de tempo, esse inimigo das televisões, que depressa voou, não lhe permitindo a apresentação de mais questões ao primeiro-ministro. Por mim, a entrevista, cheia de plumbosos recortes técnicos, seria suficientemente elucidativa se tivesse havido resposta a uma simples e lapidar pergunta: o que fazer com os milhares de Anas Isabéis que verão as suas vidas irremediavelmente perdidas?

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...