quarta-feira, fevereiro 24, 2010

37, 42, 50?

Parece-me absolutamente despropositada a incoerência que tem vindo a ser anunciada pelos órgãos de comunicação social relativamente aos números de mortos do aluvião que se abateu sobre a ilha da Madeira no último sábado. É evidente que os jornais, televisões se rádios não têm culpa primeira: os números são, de facto, contraditórios. No entanto, a insistência obcecada neste assunto deturpa, de certo modo, o valor essencial da notícia. Esta diz respeito, tão-somente, ao acidente. Há mortos, desaparecidos, pessoas que ficaram numa situação muito difícil, sem casa, sem trabalho. Há também todo um trabalho de reconstrução e de ajuda nacional e europeia. Importa, pois, ir por aí. O resto é hipocrisia no meio dum assunto que não devia ser delineado neste tom. Como se 37, 42 ou 50 fossem apenas números.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...