sábado, janeiro 09, 2010

espirito republicano

Os paradoxos da democracia são muitos. Uns são mais visíveis do que outros. Soubemos hoje que a sr. dr.ª ex-ministra da Educação Maria de Lurdes Rodrigues foi nomeada pelo Primeiro-Ministro para presidente da Fundação Luso-Americana. Poderíamos entrar aqui num coro de indiferença. Afinal, ela tem todo o direito de ser convidada, por José Sócrates, como qualquer outra pessoa. Acontece que a senhora saiu há pouquíssimo tempo dum conturbado período político, no qual revelou um enorme desajustamento a vários níveis. Acontece que a sr.ª é professora (não se encontrando, portanto, no desemprego) e que provavelmente desenvolverá, no seu estabelecimento de ensino, um trabalho louvável (até porque deve estar, naturalmente, com saudades de ensinar...). Acontece que manda o bom-senso republicano (100 anos de republicanismo com um interregno de meio século e nada aprendemos) que estas tomadas de decisões são, no mínimo, obtusas e irresponsáveis.
Já aqui escrevi, algures, que o nosso primeiro-ministro se põe a jeito para muitas coisas. Neste sentido, desenhou a sua estratégia desde que perdeu a maioria absoluta e que o partido, cego, acompanha: esticar a corda. Talvez ele não saiba ou não queira saber que a história nem sempre se repete.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...