quarta-feira, novembro 14, 2012

as declarações grevistas

Em dia de greve, o momento é de retorno. Para uns, sucesso; outros, porém, sublinham o fracasso. E há os patriotas. Estes, obviamente, encontram-se do lado dos não aderentes. Um dos tiques destes últimos tem a ver com a incapacidade de não conseguirem sustentar as suas atitudes sem o autoelogio formal. Diz Cavaco: "Apesar da greve, da minha parte não deixei de trabalhar". Mas alguém esperaria que o Presidente da República deixasse pendurado o seu homólogo colombiano por causa de uma greve? Então, para quê essa necessidade de deixar uma mensagem tão inoportuna?
No mesmo sentido, Passos Coelho releva a coragem dos que foram trabalhar (em prol do sucesso do país, está claro) e - mais cínico ainda - dos desempregados que "não se conformam com essa situação e fazem por melhorar as suas perspetivas de empregabilidade". Nos dias como os de hoje, dispensava-se tamanha demagogia.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...