quarta-feira, outubro 08, 2014

o demissionário ou o demitido crato?

Passos Coelho teve hoje tempo para bocejar, à saída de uma de uma cerimónia na Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (fundação que já teve como dirigentes emblemas tão capazes como Rui Machete e Lurdes Rodrigues, provavelmente o próximo será Crato) uma graçola. Disse que o ministro Crato voltará para a sua universidade, mas não agora.Todos nós já sabemos que o sr. Crato é, neste momento, qualquer coisa parecida com um ministro. Do mesmo modo, entendemos rapidamente que a próxima remodelação governamental sairá da forja em seu devido tempo, "não agora".
Convém lembrar ao sr. Passos Coelho que o tempo não está para estes ajustamentos metafóricos. Convém lembrar que os ministros demitem-se por razões bem mais superiores do que o interesse eleitoral do partido. A sua permanência no Governo da República ultrapassa todos os limites da decência política. Dito de outra maneira: a não demissão imediata de Nuno Crato é uma forma de deseducação para a política e para a cidadania. Um perfeito desinvestimento educativo.

Sem comentários:

coisas

vamos pela estrada e sentimo-nos bem. lá fora, o vento sopra, a neve cai, voam duas aves perdidas. eu sei que tenho de chegar a algum lugar...

neste momento...